sexta-feira, 1 de maio de 2009

da dificuldade de se dividir uma vida...


o retrato em preto e branco continua emoldurado. repousa sobre a escrivaninha onde me debruçava nas horas frias de minha solidão tacita a escrever meus versos chorosos. poesias e crônicas que você nunca entendeu. não sei se por simples preguiça ou se por uma complexa falta de inteligência hereditaria.
ligava o radio a procura de uma melancolia que não era a minha mas que me cabia tão bem. vestia me dela como se estivesse a desfilar um terno garbo numa festa de gala. minha dor sozinha não me satisfaz. você bem sabe. empresto o sofrimento alheio que é pra me encher de uma revolta maior. transborda o cálice. e assim escrevo com essa minha letra torta de quem nunca ousou tocar caderno de caligrafia. palavras suntuosas em frases ambiguas. que você obstinadamente chamava "diario de garranchos".
continuo minha existência ordinaria como de costume. me sinto tão a vontade vivendo o habitual que não vejo razão pra ser diferente.

- Por que você vive assim sempre tão cheio de medo?
- Não tenho medo de nada.
- Ráaaaa falou o homem mais corajoso do Brasil! Tem medo ate de barata!
- Não tenho medo...tenho asco...que é o mesmo sentimento que tenho pela sua mãe.

ainda deixo a toalha molhada sobre a cama. mas agora com um adendo. minhas cuecas e meias usadas se embolam no edredon. passei a dormir na sala. irônico. odiava quando era uma imposição sua. pareço ter encontrado meu lugar. agora você nunca mais vai me acusar de não ser bom de cama. rá!
adotei um animal de estimação. um rato cinzento e gordo que dia desses me passou como um siamês.

- Não quero animais no apartamento, ja tinha te falado disso antes da gente vir pra ca.
- Mas são peixes...
- Foda-se...peixes são animais também... e puta que o pariu ein meu, o cara ter peixe é uma falta de bom senso...privar os pobrezinhos da vida no oceano.
- Pelo menos ELES estão longe dos predadores né...
- Que você quis dizer com isso?

doei suas coisas para um orfanato. fogão, geladeira, ferro de passar roupas, maquina de lavar.
sorte a minha ter uma mãe. sabe na concepção original da palavra?
a proposito, aquela sua amiga lesbica esteve aqui ontem. disse que tinha vindo pegar umas coisas suas. eu ja desconfiava. desde que dividiam o quarto naquela espeluca de republica.
deixei que ela entrasse no apartamento pra pegar o que quisesse desde que não fosse a Lisandra. uma das vantagens em se ter uma boneca é que ela não finge orgasmos. achei o cumulo que você tivesse ciumes de um objeto cheio de ar que so me servia nas horas ebrias de uma madrugada na sala.

- Augusto!!!Que porra é essa aqui atras do sofa????
- É a Lisandra.
- ???????
- Uma homenagem minha a Lisandra Souto...lembra daquela atriz que casou com o ....
- Vai tomar no cu porra!!!

espero que esteja tudo bem com sua familia. comigo tudo otimo.
recebi uma carta endereçada a você na semana retrasada. sabe aquela bolsa de estudos nos EUA que você sonhava. pois é. te aceitaram.
(fiquei muito feliz)
o que é uma pena visto que o prazo pra confirmação da matricula era ate antes de ontem.
estou lhe escrevendo carinhosamente so pra dizer que esse final de semana vou pra Florianopolis e queria saber se você podia tomar conta do Marlon pra mim.
Marlon, o rato.
Atenciosamente.

2 comentários:

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Nossa, que saudades deste lugar, aqui me sinto em casa, seu gtexto toca fundo em mim,
beijossssssssssss

Aline disse...

meu perfect forever!